10 CURIOSIDADES SOBRE O VESTIBULAR

Tempo de leitura: 2 minutos

Ao fim de todos os anos acontecem os vestibulares.

Isso a gente já sabe… Mas e sobre quando tudo isso começou e como toda estrutura mudou desde que as provas foram aplicadas para os estudantes de todo país?

Agora, se te perguntassem como tudo isso começou, você saberia a resposta?

Confira 10  curiosidades históricas, hilárias e algumas até bizarras sobre os tão temidos vestibulares para você ter na ponta da língua!

  1.  Colar no vestibular é crime! Segundo o artigo 311-A do Código Penal brasileiro, o candidato que for pego colando pode ser condenado de um a quatro anos de cadeia, e se for funcionário público, até 5 anos. Além da sentença, há uma multa a ser paga.
  2. Foi em 1968 que os vestibulares tornaram-se classificatórios, ou seja, passaram a aprovar somente o número de vagas disponíveis para cada curso. Isso aconteceu porque 120 mil alunos aprovados não conseguiram se inscrever na universidade por falta de vaga. Contudo, o problema já havia começado na década de 1920, quando o número de aprovados passou a ser maior que os lugares disponíveis nas faculdades.
  3. Entre 1808 a 1911, o ingresso no ensino superior só era possível para estudantes de alguns colégios selecionados, como o tradicional D. Pedro I – Rio de Janeiro. Isso só mudou com o aumento da procura, que ultrapassou o número de vagas disponíveis.
  4. O vestibular passou a se chamar “vestibular” no ano de 1915, devido ao decreto criado na época.
  5. Na década de 60, as provas das universidades federais eram realizadas todos no mesmo dia, ou seja, o candidato só concorria a uma vaga em uma instituição de ensino, ao menos se fizesse a prova do vestibular unificado, que permitia a realização de uma prova para várias instituições.
  6. Somente em 1970 os vestibulares passaram a ter o conteúdo restrito do ensino médio. Isso aconteceu por causa da criação da Comissão Nacional do Vestibular, que regulamenta as provas.
  7. Em 1976 a Fuvest era uma unificação da USP, Unesp e Unicamp. A junção desses vestibulares não durou muito, pois em 1983 as outras instituições se desvincularam da USP para ter seu próprio vestibular
  8. Durante o processo de correção, os professores são confinados em um andar do prédio da Fuvest. Os acessos a esse andar são bloqueados por dois portões de metal.
  9. Quem elabora e faz a correção das provas também fica sob uma pilha de nervos e ansiedade, pois para a preparação de uma questão leva em média 7 meses e as correções das prova 8 horas diárias por 15 dias.
  10.  Os profissionais que participam da correção e elaboram das provas têm que assinar um contrato e jurar sigilo sobre suas atividades. Somente os organizadores do vestibular sabem sua identidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *